sábado, 25 de fevereiro de 2012

O ITABAPOANA


                                   O ITABAPOANA
                                                                                    Vera Maria Viana Borges


                            Corre sereno e tranqüilo o Itabapoana...
                       No trajeto,
                       Vilas, cidades, lugarejos,
                       Pequenas quedas,
                       Cachoeiras soberanas,
                       Primorosos campos,
                       Cenários sertanejos.
                       Divide o Espírito Santo e Rio de Janeiro.
                       No Rio está Bom Jesus do Itabapoana,
                       Bom Jesus do Norte, município altaneiro
                       No sul capixaba.
                       Sua gente se irmana.
                       No Norte que é do sul ou no Itabapoana,
                       Tudo se mistura,
                       Havendo um clima de amor,
                       É como se fosse uma só,
                       Seus povos se amam.
                       Entre morros,
                       Num aprazível vale estamos
                       Sob a proteção do Bom Jesus, o Senhor,
                       Vendo deslizar o rio Itabapoana.

CINCO DÉCADAS DE AMOR


sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Publicado na Revista da Academia Itaocarense de Letras em outubro de 1992


ESSES VALOROSOS HOMENS DE LETRAS
                                                Vera Maria Viana Borges

Cerro os olhos! Ainda sinto o perfume das flores!... Ecoam em meus ouvidos, os divinos e melodiosos acordes executados pela maestrina Nelly de Souza ao piano e a voz aveludada e forte do maestro e barítono Francisco de Souza, brindando-nos com páginas belíssimas do cancioneiro romântico como "Granada" de Augustin Lara, "Pierrot" de Pascoal Carlos Magno e Joubert de Carvalho e "Minha Terra" de Waldemar Henriques, num grandioso espetáculo de arte.
Em êxtase, rememoro toda a beleza da solenidade de 30 de maio do corrente ano, na AIL, a propósito, realizada na data magna do Município, quando se comemora e louva seu padroeiro: São José de Leonissa, e ouço as palavras pujantes e indescritíveis do Dr. Alaôr Eduardo Scisínio, com voz firme e vibrante, palavra clara, convincente, de verve fluente, conduzindo-nos a uma noite de sonhos, de encantamento e poesia.
Tudo isto proporcionado graças ao idealismo do nome tutelar das letras fluminenses, o laureado e insigne Presidente da  Academia Itaocarense de Letras, Dr. Kleber Leite, a quem reverencio respeitosamente pelo eminente intelectual que o é, pelo austero homem de princípios, esposo e pai sensível, de temperamento afável, sempre solícito. Sábio, humano, modesto, maravilhas tem proporcionado às letras de nossa pátria. Personalidade perfeita, com atributos e qualidades que só os espíritos de gala podem ter.
Quanta gente ilustre, nobre, digna e simpática reunida no salão principal do União Esportiva Itaocarense! Brilhantes intelectuais. Quantos abraços fraternos e quantas amizades nascidas naqueles momentos de tanta ternura, vividos na calma e formosa Itaocara! Amizades nascidas sob as bênçãos do Monsenhor Saraiva e São José. Em cada aperto de mão, fica indelevelmente o carisma da gente amiga, cordial e sincera. Das flores da ornamentação exalam delicadas fragrâncias e  nos  semblantes a  transparência das almas diáfanas, que se deixava ver através dos lindos sorrisos, lembrando-nos o belíssimo provérbio de Salomão: "O coração alegre aformoseia o rosto".
          O cumprimento da menina-moça, da jovem poetisa Kellen Marconi da Rocha Leite, fêz-me mergulhar nos vórtices do tempo, e relembrar os anos dourados da minha juventude, quando então conheci na Escola Normal Zélia Gisner, em Bom Jesus, o venerando casal Nilcinéia - Dr. Vero Baptista de Azevedo, que, vendo meus versos, cuidou de levá-los a um "compadre", em Campos dos Goitacases.
E, o compadre não era nada mais, nem nada menos que o mecenas, o respeitado vate, o carismático Professor Walter Siqueira, o príncipe dos poetas campistas. Sinto-me honrada e feliz, por ainda hoje poder registrar na agenda do coração, o profícuo e glorioso intelectual, e mais ainda por ter recebido dele, o soneto intitulado VERA MARIA, que se pode ler a seguir:
           
Vera Maria é a porta-voz do Sonho,
traçando uma jornada de beleza,
em que desvenda o coração risonho,
em que revela o amor à Natureza.

De longe, em seu espírito me enfronho,
e vejo nos seus olhos, com certeza,
os crepúsculos róseos ou tristonhos,
conforme o seu quinhão de sutileza.

Reservando-lhe Deus tantos poderes,
de mudanças levar aos pobres seres,
aclara-se o lírico destino.

Vera Maria trouxe das origens
as sensações da paz e das vertigens,
é Lua Cheia em flor, é Sol a pino!
Isto sim, massageia o ego!... Jamais serão diluídas de minha memória estas doces e agradáveis reminiscências. Quantas emoções!... Teço loas a estes valorosos homens de letras, que com sensibilidade e inteligência serão capazes de mudar o mundo...


quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

RELEMBRANDO ROSAL, MINHA QUERIDA TERRA...


                                                             REMINISCÊNCIAS
                                                                                        Vera Maria Viana Borges
                                                    Ah, quanta saudade!
                                                    Das mãos da tia Vavá,
                                                    Chorando, o bebê pendia...
                                                    Lá fora, pela tão amada parteira,
                                                    O futuro papai esperava...
                                                    Manhã com neblina, fria,
                                                    Espesso nevoeiro,
                                                    Que nossa pele agredia;
                                                    De orvalho a grama banhava.
                                                    Jardins, pastagens sempre verdejantes,
                                                    Eternamente primaveris...
                                                    Pelas ruas, crianças esfuziantes,
                                                   A caminho da Escola, uniformizadas.
                                                   D. Haidée Borges Brasil, enérgica,
                                                   Aguarda a criançada,
                                                   Que momentos antes,
                                                   Com o senhor Hildebrando,
                                                   Teria feito ginástica.
                                                   E, no sete de setembro,
                                                   Marchava entusiasmada.
                                                   Tardes maravilhosas!..
                                                   As novidades na chegada do ônibus...
                                                   O TRIÂNGULO, na pracinha...
                                                   Brincadeiras de roda,
                                                   Pique, queimada, corda.
                                                   À paisagem, incorporavam-se parquinhos,
                                                   Com adoráveis barquinhos,
                                                   Que iam e vinham,
                                                   Balançando a meninada.
                                                   Maxambombas, tiro ao alvo,
                                                   Palco, onde a gurizada
                                                   Cantava, tocava, declamava...
                                                   E, que prêmios conquistava!
                                                  À noite no CINE ROSAL,
                                                  Exibia-se na tela,
                                                  Seriado famoso, sensacional,
                                                  Durango Kid, Zorro, O Gordo e o Magro,
                                                 Os Três Patetas...
                                                 Com muitos intervalos.
                                                 Trabalho a semana inteira...
                                                 Nas tardes domingueiras,
                                                 Partidas de futebol,
                                                 Desporto bruto, rude,
                                                 Arrojo sem limite
                                                 Dos André, grandes jogadores,
                                                Um show com a bola no pé,
                                                No ROSAL ESPORTE CLUBE.
                                                Ah, as rainhas do ROSAL!
                                                Suaves acordes denotavam
                                                Aos ouvidos rosalenses,
                                                O prazer das encantáveis coroações
                                                De suas rainhas...
                                                Com vestidos brancos, diáfanos,
                                                Que pelo salão desfilavam emoções,
                                                Valsando Danúbio Azul,
                                                Vozes da Primavera,
                                                Contos dos Bosques de Viena,
                                                Impregnando perfume e vigor,
                                                Riso fácil e tranqüilo,
                                                Àqueles tempos de tanto fulgor.
                                                As alvoradas, da  “QUATORZE DE JULHO”,
                                                Que apreciávamos com tanto amor,
                                                E, na manhã gelada,
                                                Minha mãe tão adorada,
                                                Da cama me tirava,
                                                Para na sanfona,
                                                Com tanto ardor,
                                                Executar para a BANDA
                                                O “Parabéns a Você”.
                                                Apuro os ouvidos,
                                                Na escuta da perdida melodia...
                                                E ouço, com clareza,
                                                O alto-falante do senhor  CHIQUINHO...
                                                A  AVE-MARIA...
                                                Samba-canção, bolero... tango...
                                                Nesta reminiscência que extasia,
                                                Transporto-me ao passado...
                                                Vislumbram memoráveis reuniões
                                                Com cadeiras nas calçadas,
                                                Unindo Sá Vianas, Glórias, Andrés, Almeidas,
                                                Nunes, Fioris, Alts, Teixeiras,
                                                Fitaronis, Figueiredos, Ouriques, Roseiras,
                                                Vargas, Jungers, Gonçalves, Lumbreiras.
                                                O mês de maio!
                                                A igreja na pracinha,
                                                Canteiros floridos,
                                                Monsenhor despetalado,
                                                Para homenagear a “Mãe das Mães”,
                                              “Maria” a santinha...
                                               Sinto o perfume do despetalar!..
                                               Os leilões no coreto!
                                               Coelhinhos de açúcar da tia Vavá...
                                               Picolé... sorvete do tio Tônio...
                                               As procissões de Santana...
                                               A malhação do judas...
                                               Os bailes, teatros,
                                               Nos altos da  “Casa Brasil”...
                                               As serenatas!...
                                               A saudade me faz calar...
                                               Essas reminiscências aguçam
                                               Uma gostosa saudade,
                                               De páginas douradas,
                                               De um tempo ditoso, 
                                               Puro, entusiasta,
                                               E, muito saudoso...
                                         
                                             ( DO meu Livro - CIRCUNSTÂNCIAS )


SE EU PUDESSE...


domingo, 19 de fevereiro de 2012

O NORTE FLUMINENSE - 09/02/2012




A UNIÃO FAZ A FORÇA
                                                                                     Vera Maria Viana Borges

  Às vezes, sentimos saudades dos glamourosos tempos de antanho em que famílias podiam desfrutar de um ritmo de vida mais tranquilo. Não podendo retroceder, essas boas lembranças ficaram apenas nas memórias,  nas fotografias. Ainda bem que não ficamos estagnados pois o mundo está em perfeita evolução, tudo caminha a passos largos e precisamos acompanhar o fluxo. Já se imaginou sem celular, internet e  TV? São peças poderosas que nos auxiliam nesses tempos modernos. Como nos diverte uma despretenciosa novelinha na televisão! Os documentários, os programas infantis, o futebol, os noticiários  e as emissoras ainda  investem lindamente nas superproduções. Com a Internet  tudo fica rápido, fácil,  a poucos cliques. O presente, o agora ou nunca tem que ser vivido plenamente com a premissa da preparação de um futuro melhor para a humanidade.
  Após as festas do final do ano, em janeiro e fevereiro a economia entra em férias, acompanhando milhões de profissionais que aproveitam a pausa do calendário escolar para viajar com a família. Em fevereiro o Brasil cai na folia com o Carnaval, espetáculo de luxo e beleza, a maior festa popular do país que deixa como lembrança muita ressaca e a certeza de que no ano que vem tem mais. Vale portanto a velha e famosa cantilena: no Brasil, o ano só começa em março.
  Atravessamos tempestuosos momentos em que somos arrastados por uma política recessiva, cheia de atropelos. Presenciamos fatigados: miséria, guerras, mentiras,  licenciosidades, corrupção e violência. A mídia exibindo a cores os dramas da vida real e das novelas que se confundem, uma imitando a outra. Parece que não temos problemas. Dentre as notícias mais lidas em janeiro, o hit “Menos Luiza que está no Canadá”,  o novo “meme” da Internet, a brincadeira que virou  febre na Web. Num comercial do lançamento de um prédio na Paraíba, o pai de Luiza, destaca as qualidades do empreendimento, juntamente com toda a sua família, menos Luiza que está no Canadá. O bordão invadiu a mídia e Luiza voltou, sendo recebida com pompas e circunstâncias pelas principais emissoras de TV,  já gravou Comercial, virou tema de música para o Carnaval 2012. Virou celebridade!  “Ai se eu te pego...” o refrão  da música de Michel Teló que o mundo todo está cantando e dançando. Tudo parece brinquedo, faz-de-conta, não se detêm para pensar. Vive-se inconsequentemente, é no deixa a vida me levar, no vamos ver o que acontece.  Degradante  o reality show Big Brother Brasil disseminando desvalores, banalizando o sexo e o povo patrocinando a aberração com os milhões e milhões de telefonemas para eliminar este ou aquele candidato, valendo  campanhas de amigos e familiares para tal disparate e da emissora para aumentar o seu faturamento a cada paredão.
   Precisamos buscar as coisas do Alto, nivelar por cima. Platão já nos dizia: “Devemos percorrer sempre o caminho que conduz ao mais alto.” Infelizmente a grande maioria de Pais e Mestres se acomoda defronte a telinha e dela é toda a sua cultura.  Voltam-se as costas à Bíblia, aos Clássicos da Literatura, e a centenas de sérios escritores contemporâneos, enfim a todos que se dispõem a escrever e comunicar-se com seriedade e com arte.. Vamos procurar ler bons livros, ver bons filmes, ouvir boas músicas, assistir aos bons programas da TV, ou até mesmo, quem sabe, passear ou dormir?
  Podemos afirmar sem exagero que a atmosfera na qual evolui o ser humano de qualquer faixa etária, tem importância primordial no desenvolvimento de sua moralidade, seu caráter e sua personalidade. Mais que os métodos de educação, quaisquer que sejam seus valores teóricos, são as influências do meio que lhe moldam o coração e o espírito.
  Não podemos cruzar os braços, temos que nos esforçar, ir à luta por dias melhores,  para a preservação dos valores éticos, morais e espirituais. Sem educação não vamos a parte alguma,  sem  espírito cidadão e solidário não mudaremos a triste realidade que nos cerca, a sociedade com que sonhamos - plena em educação e cultura, justiça e fraternidade. Fico com o pensamento de  William Blake: “Nenhum pássaro voa mais alto do que com as próprias asas.” Vamos fazer a nossa parte lembrando sempre que A UNIÃO FAZ A FORÇA.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Vera Maria - José Roberto e seu filho Dr. Sávio Viana Borges




Seja Bem-Vindo, caro visitante!


                   
         A alma do escritor, é plena de amor, ternura e encantamento. É envolvida, por grande porção de sutileza, transbordando o seu coração com os mais puros e profundos sentimentos. O poeta é um PROFETA. Transcendendo recebe inspiração e fala muitas vezes na língua dos ANJOS. (Vera Maria Viana Borges) 


MERGULHE NESTE OCEANO DE EMOÇÕES! 

MINHA ADORADA BOM JESUS


                                   
              BOM JESUS
                                                        Vera Maria Viana Borges


Bom Jesus, ao fitar este teu céu bendito,
Minha alma se incendeia e acende astral doçura,
Doçura angelical provinda do infinito
Que salpica o teu chão com estrelas de ternura.


A cismar fico então e com emoção reflito,
És cintilante e bela, és paz, minha ventura,
Desperta-me a Razão, conscienciosa admito,
És vale encantador, és berço de Cultura.


Dos nobres filhos, LUZ retida na memória,
Fronte erguida, altaneira a caminhar serena,
Gentil e hospitaleira a construir a História.


A abençoar a Praça e a terra sacrossanta,
Da Matriz majestosa e de beleza plena
A Mão do Bom Jesus bendita se levanta.


                                            ( Do Livro DE-VERAS... DI-VERSOS...)